Os Maiores Ídolos Da História do Fortaleza

Em seus mais de 100 anos de história, o Fortaleza Esporte Clube já foi palco para grandes jogadores. E alguns desses atletas se tornaram ídolos do torcedor por conta das boas atuações, pelos títulos conquistados ou pela forte identificação com o clube.

Confira a seguir alguns nomes que estão até hoje na memória do torcedor do Fortaleza. Apesar de alguns nomes não serem totalmente unânimes, eles com certeza tiveram um papel de destaque na história do clube.

Croinha

croinha, o maior goleador da história do Fortaleza
Divulgação/Site oficial Fortaleza
Divulgação/Site oficial Fortaleza

Edson José de Souza, o Croinha, é um dos maiores artilheiros que o Fortaleza já teve. Nascido em Recife em 21 de agosto de 1940, o centroavante brilhou no futebol maranhense antes de chegar ao Tricolor. Foi apresentado ao torcedor do Fortaleza em 1965 e logo mostrou sua incrível capacidade de marcar gols. Ficou no clube cearense até 1972, tendo marcado um total de 138 gols.

Também conquistou títulos importantes. Foi campeão de três campeonatos estaduais (1965, 1967 e 1969), foi vice-campeão da Taça do Brasil no ano de 1968 e conquistou a Taça Norte-Nordeste no ano de 1970. Em 1973 aposentou-se do futebol.

Lúcio “Bala”

Lucio Bala, ídolo dos anos 2000 do Fortaleza
Reprodução/Instagram @luciobala
Reprodução/Instagram @luciobala

Revelado pelo Goiás e com passagem por grandes clubes como Flamengo, Santos e Botafogo, o meia-atacante Lúcio “Bala” foi contratado em 2004 e logo conquistou a torcida do Fortaleza. No total, teve quatro passagens pelo clube. Em sua primeira oportunidade, ajudou o Fortaleza a subir para a Série A do Campeonato Brasileiro.

Em 2005, formando parceria com Rinaldo, foi um dos responsáveis pela boa campanha no Brasileirão de 2005. Já em 2006 não conseguiu evitar a queda da equipe para a Série B. No entanto, apesar do rebaixamento de seu clube naquele ano, Lúcio “Bala” foi muito elogiado pela imprensa por suas atuações. Sua última passagem pelo Fortaleza aconteceu em 2008. Porém, ao contrário das três primeiras oportunidades, o jogador não conseguiu ter grandes atuações.

Rinaldo

RINALDO
Thais Pontes /Divulgação Site oficial Fortaleza
Thais Pontes /Divulgação Site oficial Fortaleza

Apelidado de “Homem-Raio”, Rinaldo também deixou sua marca na história do Fortaleza nos anos 2000. Ele é até hoje o maior artilheiro do clube em campeonatos nacionais, com 43 gols marcados nas Séries A e B, e também o maior artilheiro tricolor em edições da Série A (27 gols).

No total, marcou 108 gols em 199 partidas com a camisa do Fortaleza, sendo o 3º maior artilheiro da história tricolor. Além das marcas pessoais, ajudou o time a conquistar os estaduais de 2004, 2007 e 2010. Após pendurar as chuteiras, seguiu conectado ao clube. Recentemente, foi anunciado como novo treinador da categoria Sub-15. Antes, o ex-jogador estava exercendo a função de auxiliar técnico no time Sub-20.

Clodoaldo

CLODOALDO
Pedro Chaves / FCF
Pedro Chaves / FCF

Segundo maior artilheiro da história do Fortaleza, Clodoaldo divide opiniões, mas não pelo o que fez em campo. Em cinco passagens pelo clube, somou 127 gols e conquistou cinco campeonatos cearenses e um vice-campeonato da Série B (2002). Além disso, foi o maestro do time nos Campeonatos Brasileiros de 2005 e 2006, quando marcou gols antológicos. Por conta das suas atuações em campo, ganhou o Rap do Clodô. Quem nunca escutou o canto da torcida do Fortaleza: “Uh, terror, Clodoaldo é matador!”?

No entanto, teve uma saída polêmica, manchando de certa forma sua história no Tricolor. Em 2006, deixou o Fortaleza para assinar com o rival Ceará. Por isso, parte da torcida até hoje não o eleva ao status de ídolo.

Geraldino Saravá

sarava2
Reprodução/SporTV
Reprodução/SporTV

Destaque dos anos 70, Geraldino Saravá ocupa o posto de maior artilheiro da história do Fortaleza. Pelo clube, foram incríveis 154 gols marcados. Além disso, o ex-atacante tem em seu currículo os títulos cearenses de 1976, 1974 e 1982.

Nascido em 29 de agosto de 1950, ele foi ainda artilheiro do estadual de 1978. Para completar, até hoje é o maior artilheiro do estádio Castelão (98 gols) e do Romeirão (72 gols). Não à toa o atacante se tornou um dos maiores ídolos do clube.

Dude

Dude
Reprodução/Facebook Fortaleza Esporte Clube
Reprodução/Facebook Fortaleza Esporte Clube

Enquanto Geraldino Saravá ocupa o primeiro lugar quando o assunto é artilharia, Dude aparece no topo da lista de campeões da história do Fortaleza. Vindo do Esporte Clube Limoeiro, o volante disputou 402 partidas nos oito anos em que defendeu o Tricolor. Durante esse período, foram sete títulos estaduais (2000, 2001, 2003, 2004, 2005, 2007 e 2008) e dois acessos para a Série A (2002 e 2004). Além disso, Dude alcançou a marca de 16 partidas sem perder para o rival Ceará.

Marcelo Boeck

Palmeiras v Fortaleza - Brasileirao 2021
Miguel Schincariol/Getty Images
Miguel Schincariol/Getty Images

Antes de desembarcar na capital cearense, Marcelo Boeck já era um nome bem conhecido no mundo do futebol. No entanto, foi no Fortaleza que ele ganhou o status de ídolo. Logo em sua primeira temporada, o arqueiro já teve papel fundamental.

Na Série C em 2017, Boeck foi um dos heróis do acesso, ajudando o clube a retornar à segunda divisão após oito anos. Além disso, como capitão e líder, foi peça fundamental no inédito título da Série B em 2018. No ano seguinte, também foi um dos heróis da conquista da Copa do Nordeste. Já em 2021, Boeck ajudou a levar o clube para a disputa de uma inédita Libertadores da América e teve seu contrato renovado até o fim de 2022.

Mozarzinho

mozart
Divulgação Site oficial Fortaleza
Divulgação Site oficial Fortaleza

Nascido em 5 de janeiro de 1939, Mozart Gomes, ou Mozarzinho, era um tradicional ponta de lança. Com a camisa do Fortaleza, ele participou de inúmeras conquistas na década de 60. Foi campeão estadual três vezes e vice da Taça Brasil em 1968. Além de ser um dos maiores ídolos do clube, é apontado por alguns torcedores mais antigos como o jogador mais completo que já atuou nos gramados cearenses.

Mas Mozart não ficou famoso somente pelo seu futebol. Ele também dava o que falar pelo sei comportamento boêmio. Mozart faleceu em setembro de 2009, aos 70 anos, por complicações de um câncer.

Pedrinho Simões

pedrinho
Divulgação Site oficial Fortaleza
Divulgação Site oficial Fortaleza

Pedro Simões Eugênio Souza, mais conhecido como Pedrinho Simões, é um dos goleiros que marcaram época no Fortaleza. Vindo do Gentilândia, foi campeão cearense em 1960 e do Norte-Nordeste no mesmo ano com a camisa do Fortaleza. Também esteve presente na campanha em que o Tricolor disputou a final da Taça Brasil com o Palmeiras e acabou como vice.

Mas seu jogo mais memorável foi contra o Bahia na semifinal da Taça Brasil de 1960, quando jogou com um braço preso em uma tipoia por conta de uma contusão. Apesar do bom futebol, pendurou as chuteiras em maio de 1961 para se dedicar aos estudos e ao trabalho no Serviço Público Federal, com apenas 23 anos.

Maizena

maizena-fortaleza
Divulgação Site oficial Fortaleza
Divulgação Site oficial Fortaleza

O ex-goleiro paranaense Geraldo Carlos Burile, conhecido como Maizena, fez parte da “jangada atômica”, icônico time comandado pelo técnico Ferdinando Teixeira que foi bicampeão cearense (200/2001), semifinalista da Copa do Nordeste e que chegou às quartas de final da Copa do Brasil.

Por conta das grandes atuações em suas três passagens pelo clube, Maizena passou a ser ídolo do torcedor do Fortaleza.

Mirandinha

Mirandinha
Divulgação/Site Oficial Newcastle United/Via CBF
Divulgação/Site Oficial Newcastle United/Via CBF

Mirandinha jogava como atacante. Foi revelado em 1977 pelo Ferroviário, de Fortaleza, e atuou em clubes brasileiros como Ponte Preta, Botafogo, Náutico, Cruzeiro, Santos, Palmeiras e Corinthians. Ele ainda jogou no Newcastle, sendo o primeiro atleta brasileiro a defender um clube inglês, antes de voltar ao futebol cearense para defender o Fortaleza no início dos anos 1990.

Com a camisa tricolor, ganhou status de ídolo ao conquistar o estadual de 1991, quando marcou um golaço na final contra o Ceará. Como treinador, Mirandinha trabalhou no Fortaleza em 2009, ano em que conquistou Campeonato Cearense.

Bosco

Bosco-leão
Divulgação Site oficial Fortaleza
Divulgação Site oficial Fortaleza

Bosco é mais um goleiro que conquistou o torcedor do Fortaleza. O arqueiro chegou ao clube em 2004, após atuar em times como Cruzeiro, Portuguesa de Desportos e Sport. No clube cearense, foi o grande destaque da equipe na campanha da Série B de 2004, que culminou no acesso à elite do futebol brasileiro. Foi também campeão estadual em 2005.

No total, ele defendeu o Fortaleza em 60 jogos, antes de se transferir para o São Paulo, onde permaneceu até encerrar a carreira, em 2011. Voltou ao Fortaleza em 2017 para trabalhar como preparador de goleiros. No entanto, no início de 2018, deixou o Fortaleza para voltar a viver com a família nos Estados Unidos.

Salvino

salvino-1
Divulgação Site oficial Fortaleza
Divulgação Site oficial Fortaleza

Embora tenha defendido o rival Ceará, Salvino é um eterno ídolo da torcida do Fortaleza. Com a camisa do clube, o ex-goleiro foi campeão cearense em 1982, 1983 e 1985. Ainda durante sua carreira como atleta, defendeu ainda Ferroviário, Sport, Tiradentes, Icasa, Maranhão, Capela-AL, ABC e Alecrim-RN.

Já aposentado dos gramados, passou mais de uma década como preparador de goleiros do Fortaleza. Salvino morreu em 28 de julho de 2018, aos 62 anos de idade, em decorrência de problemas hepáticos.

Sandro Gaúcho

sandro gaucho
Divulgação Site oficial Fortaleza
Divulgação Site oficial Fortaleza

Nascido em Santa Maria, no Rio Grande do Sul, Sandro Gaúcho entrou para a história do Fortaleza principalmente pelos gols marcados. Ele é até hoje o recordista de gols no futebol cearense em uma só temporada.

O centroavante anotou incríveis 39 gols em 44 jogos no ano de 1997, marca não batida por nenhum outro jogador que atuou no Campeonato Cearense desde então. Sandro é tão identificado com o Fortaleza que chegou a tatuar um leão no braço com demonstração de amor e gratidão ao clube.

Ronaldo Angelim

Flamengo v Vasco - Brazilian Serie A
Buda Mendes/LatinContent via Getty Images
Buda Mendes/LatinContent via Getty Images

O ex-zagueiro Ronaldo Angelim defendeu o Fortaleza de 2001 a 2005. Durante sua trajetória no clube, o “Magro de Aço” conquistou quatro Campeonatos Cearenses e de dois acessos à Série A. Embora atuasse como zagueiro, ele é lembrado principalmente por um gol decisivo marcado contra o Avaí.

Em 2004, na última rodada da Série B daquele ano, ele foi o responsável por marcar o gol que levou sua equipe de volta à elite do futebol brasileiro. Após as boas atuações pelo Fortaleza, Ronaldo Angelim foi contratado em 2006 pelo Flamengo, onde também virou ídolo da torcida.

Daniel Frasson

Daniel Frasson
Reprodução
Reprodução

Daniel Frasson começou sua carreira no Figueirense, mas foi no Palmeiras que se consagrou. No Versão, ele fez parte da equipe que conquistou o histórico título do Campeonato Paulista de 1993, que interrompeu uma sequência de 16 anos sem títulos.

Posteriormente, Daniel Frasson também se destacou no Fortaleza, onde fez o chamado “Gol Papapenta”, que acabou com a tentativa de pentacampeonato estadual do rival Ceará. A raça e a liderança, além do importante gol na final de 2000, o fizeram ídolo da torcida tricolor. Depois de pendurar as chuteiras, o ex-volante seguiu prestando serviços ao clube. Seu último cargo foi como coordenador das categorias de base.

Osvaldo

Osvaldo
Miguel Schincariol/Getty Images
Miguel Schincariol/Getty Images

Osvaldo é um dos ídolos recentes do Fortaleza. Formado nas categorias de base, o jogador fez história com a camisa tricolor em três passagens pelo clube.

Ele conquistou quatro vezes o Campeonato Cearense, uma vez a Série B do Brasileirão (2018) e uma vez a Copa do Nordeste (2019). Na temporada de 2021, fez parte do elenco que garantiu a vaga na Libertadores da América pela primeira vez na história, além de ter ajudado a equipe a chegar às semifinais da Copa do Brasil. No início de 2022, o jogador teve sua saída do clube anunciada.

Cícero Capacete

Lulinha
Divulgação Site oficial Fortaleza
Divulgação Site oficial Fortaleza

Nascido em 8 de janeiro de 1950, Cícero Capacete foi um goleiro marcante nos anos 70 e 80. Formado nas categorias de base do clube, o arqueiro teve três passagens pelo Fortaleza, tendo conquistado o Campeonato Cearense três vezes (1973, 74 e 87). Sua saída aconteceu em 1976.

Ainda enquanto atleta, Capacete se formou em Educação Física pela primeira turma da Unifor, Universidade de Fortaleza. E após pendurar as chuteiras, ele passou a trabalhar como professor de Educação Física nas escolas cearenses.

Fabiano

tetra
Divulgação Site oficial Fortaleza
Divulgação Site oficial Fortaleza

Fabiano Bolla Lora, também conhecido como “Fabiano, o Paredão”, ficou marcado na história do Fortaleza por defender o pênalti que garantiu o tetracampeonato cearense em 2010. Na ocasião, o time tricolor vinha de uma eliminação precoce no 2º turno, mas já estava garantido na decisão pelo 1º turno conquistado diante do Guarany de Sobral.

Na decisão, diante do rival Ceará, o Fortaleza venceu a primeira partida por 1 a 0, mas acabou perdendo o segundo encontro por 2 a 1. Então, nas penalidades, Fabiano marcou seu nome na história do Fortaleza ao defender a cobrança de Misael. O ex-goleiro também é ídolo no América-RN. Pelo Alvirrubro, conquistou três acessos no Brasileirão (2005, 2006 e 2011) e foi capitão na conquista do Campeonato Potiguar de 2012).

Louro

1
Reprodução
Reprodução

Francisco das Chagas Veras, conhecido como Louro, foi um dos maiores laterais-direitos que já passaram pelo Fortaleza. Mas ele também fez história pelos títulos conquistados. Nascido em 26 de dezembro de 1946, o defensor participou de cinco títulos estaduais, em 1964, 1965, 1967, 1973 e 1974.

Além disso, em 1974, durante sua quarta passagem pelo Leão, Louro foi eleito o melhor lateral-direito daquele Campeonato Brasileiro. Em abril de 1975, Louro se transferiu para o Sport, tendo encerrado a carreira em agosto de 1977. Louro faleceu no dia 12 de dezembro de 2005, vítima de uma parada cardíaca, após ser agredido violentamente em um assalto.