Os Maiores Ídolos Da História Do Flamengo

Desde 1895, o Flamengo coleciona grandes jogos, rivalidades, títulos e, não menos importante, ídolos. A lista de craques que vestiram a camisa rubro-negra não é pequena, mas alguns nomes se destacam.

Os protagonistas da geração vitoriosa dos anos 1980, como Zico e Adílio, têm espaço garantido na memória dos torcedores flamenguistas. Outros, como Gabigol e Bruno Henrique, chegaram há pouco tempo, mas já passaram a fazer parte da lista dos maiores da história do clube por conta das conquistas de 2019.

Confira a seguir a lista dos maiores ídolos da trajetória do Flamengo, segundo levantamento feito pelo jornal O Globo. O ranking foi montado de acordo com a opinião de 50 jornalistas.

Zico

Soccer - Zico
Universal/Corbis/VCG via Getty Images
Universal/Corbis/VCG via Getty Images

Não há dúvidas de que Zico é o maior ídolo do Flamengo. E os motivos para tanta idolatria são muitos. O Galinho é o maior artilheiro do clube, o principal artilheiro da história do Maracanã e o meia com mais gols marcados na história do futebol. Além disso, foi o líder da vitoriosa trajetória do Flamengo nas décadas de 1970 e 1980.

Com a camisa do Flamengo, ele conquistou sete Campeonatos Cariocas, três Campeonatos Brasileiros, uma Copa União, uma Copa Libertadores da América e um Mundial Interclubes.

Junior

BRAZILIAN Soccer
Neal Simpson/EMPICS via Getty Images
Neal Simpson/EMPICS via Getty Images

Nenhum jogador vestiu tantas vezes a camisa do Flamengo quanto Leovegildo Lins da Gama Júnior. Lançado no time profissional no começo dos anos 70, o Maestro entrou em campo em 876 partidas pelo clube. Na sua trajetória na Gávea, conquistou 508 vitórias, 212 empates, 156 derrotas e anotou 78 gols.

Entre as conquistas mais marcantes estão a Libertadores de 1981 e o Mundial de Clubes do mesmo ano, além dos Campeonatos Brasileiros de 1980, 1982, 1983 e 1992. Atualmente trabalha como comentarista esportivo para a Rede Globo.

Leandro

Soccer - Toyota Cup - World Club Championship - Liverpool v Flamengo - National Stadium, Tokyo
Peter Robinson – PA Images via Getty Images
Peter Robinson – PA Images via Getty Images

O lateral-direito Leandro dedicou toda a sua carreira ao Flamengo, desde as categorias de base até sua despedida dos gramados em 1990. Durante sua trajetória como atleta, ele participou da era gloriosa do Flamengo, que sob o comando de Zico, conquistou no início dos anos 80 três Campeonatos Brasileiros, a Copa União e a Copa Libertadores da América de 1981.

Rubro-negro de coração, Leandro é considerado um dos maiores laterais-direitos da história do futebol brasileiro. Também é um dos maiores ídolos do Flamengo, tendo até uma estátua na Gávea.

Dida

leandro2
Arquivo/Museu do Esporte
Arquivo/Museu do Esporte

Edvaldo Alves de Santa Rosa, o Dida, é o ídolo de ninguém menos do que Zico, o que já diz muita coisa. O meia-atacante foi uma das grandes estrelas do segundo tri estadual do Flamengo (1953 a 1955).

Ele também foi um dos maiores artilheiros da história do clube, com 264 gols e 357 jogos, sendo superado apenas por seu fã Zico. Pelo Flamengo, tem no currículo quatro cariocas (1953, 1954, 1955 e 1963), um troféu Rio-São Paulo e uma Taça dos Campeões. Na Seleção, conquistou o título mundial de 1958, perdendo a posição entre os titulares para um jovem promissor chamado Pelé. Dida faleceu em 17 de setembro de 2002, aos 68 anos, vítima de insuficiência hepática e respiratória.

Gabigol

2020 Brasileirao Series A: Flamengo v Fortaleza Play Behind Closed Doors Amidst the Coronavirus (COVID - 19) Pandemic
Buda Mendes/Getty Images
Buda Mendes/Getty Images

Gabriel Barbosa não precisou de muitos anos no Flamengo para fazer história e entrar para a lista de ídolos do clube. Os dois gols na final da Libertadores de 2019, contra o River Plate, em Lima, e outros gols importantes naquela temporada já foram suficientes para isso. Vale lembrar que no mesmo ano ajudou o clube a conquistar o Campeonato Brasileiro, sendo o artilheiro da competição com 25 gols.

Hoje, o atacante é mais do que uma das principais referências técnicas do rubro-negro. Gabigol é o ídolo das crianças, com a frase “Hoje tem gol do Gabigol!” caindo nas graças da torcida, e talvez a maior estrela nacional em atividade no Brasil.

Zizinho

zizinho1
Reprodução
Reprodução

Antes de Zico conquistar o mundo e brilhar com a camisa do Flamengo, o principal nome da história rubro-Negra era Zizinho. Eleito melhor jogador da Copa do Mundo de 1950 no Brasil, foi um dos ídolos de Pelé. Pelo clube carioca, foi a referência do time no primeiro tricampeonato estadual conquistado em 1942, 1943 e 1944, depois de ter sido campeão em 1939.

Durante os 11 anos em que esteve no clube, Mestre Ziza disputou 318 jogos e marcou 145 gols. Segundo Nelson Rodrigues, bastava os alto-falantes do Maracanã anunciarem o nome de Zizinho para se saber quem seria o vencedor da partida. Morreu em 8 de fevereiro de 2002 vítima de problemas do coração, mas seu legado é eterno.

Adílio

1564781173656
Paula Reis/Divulgação Flamengo
Paula Reis/Divulgação Flamengo

O meio-campo Adílio dedicou seus 14 anos de carreira exclusivamente ao Flamengo. Revelado pelas categorias de base do clube e parte da geração vitoriosa dos anos 1980, ele conquistou Mundial Interclubes (1981), Taça Libertadores (1981), Campeonato Brasileiro (1980, 1982 e 1983), Taça Guanabara (1978, 1979, 1980, 1981, 1982 e 1984), Taça Rio (1983, 1985 e 1986), Campeonato Carioca (1978, 1979/Especial, 1981 e 1986).

No total, são 617 jogos com a camisa rubro-negra, o que faz dele o terceiro jogador com maior número de jogos disputados pelo Flamengo. Como homenagem aos anos vitoriosos, ele tem um busto seu na Gávea.

Leônidas da Silva

leonidasdasilva_siteflamengo_690
Reprodução/Site oficial Flamengo
Reprodução/Site oficial Flamengo

Leônidas da Silva foi um dos principais responsáveis por transformar o Flamengo em um clube de massa. O atacante chegou ao Flamengo em 1936, trazido do Botafogo e, após fazer sucesso na Copa do Mundo de 1938, ele ajudou a popularizar o Rubro-Negro por todo Brasil. Afinal, todos queriam assistir aos jogos do clube para ver Leônidas em campo.

Conhecido também como “Homem-Borracha” ou “Diamante Negro”, o craque conquistou o feito incrível de ter mais gols do que jogos com a camisa do Flamengo. Foram 153 gols em 149 jogos, dando ao atacante a melhor média de gols da história de um jogador pelo clube. O ídolo morreu em janeiro de 2004, aos 90 anos, muito debilitado pelo Mal de Alzheimer.

Petkovic

Flamengo v Corinthians - Brazilian Championship 2011
Buda Mendes/LatinContent via Getty Images
Buda Mendes/LatinContent via Getty Images

Petkovic chegou à Gávea em 2000 após grande sucesso no Vitória e não decepcionou. Ídolo do clube, ele coleciona momentos históricos, como o gol de falta na decisão do Campeonato Carioca de 2001 contra o Vasco, aos 43 minutos do segundo tempo. O sérvio também foi peça fundamental no título do Campeonato Brasileiro de 2009, ao lado de Adriano Imperador. Conhecido por ser um exímio cobrador de faltas e escanteios, Dejan Petkovic pendurou as chuteiras em 2011. Atualmente, é comentarista do canal SporTV.

Adriano

Brazil's forward Adriano holds a Flameng
ANTONIO SCORZA/AFP via Getty Images
ANTONIO SCORZA/AFP via Getty Images

As idas e vindas do relacionamento entre Adriano e o Flamengo iniciaram quando o jovem centroavante ingressou nas categorias de base do clube em 1999. No ano seguinte já foi promovido ao time profissional e os bons desempenhos levaram à primeira despedida. Adriano foi vendido à Internazionale da Italia em 2001. Lá ele conquistou a torcida italiana e, com sua habilidade, vigor físico e chute potente, recebeu o status de Imperador.

O retorno ao Flamengo aconteceu em 2009, tendo uma recepção de gala. A temporada foi coroada com o título brasileiro. Adriano foi a principal figura da conquista e viveu seu auge no clube após retirar o time de uma fila de 17 anos sem o título nacional. No mesmo ano foi artilheiro do Brasileirão junto com Diego Tardelli do Atlético-MG, ambos com 19 gols.

Nunes

Soccer - Toyota Cup - World Club Championship - Liverpool v Flamengo - National Stadium, Tokyo
Peter Robinson – PA Images via Getty Images
Peter Robinson – PA Images via Getty Images

Nunes, o João Danado, entrou para a história do Flamengo como o homem que marcava gols na hora que o time mais precisava. O poder decisivo redeu ao centroavante o apelido de Artilheiro das Decisões.

Aliás, ele foi o autor do gol mais importante da história do Flamengo. Se a torcida canta o trecho “3 a 0 no Liverpool” na música que faz referência ao Mundial de Clubes de 1981, muito se deve a Nunes. Na final, ele marcou dois dos três gols da equipe. No total, Nunes atuou por oito anos na Gávea, participando de 214 jogos e marcando 99 gols. Além do Mundial, conquistou a Copa Libertadores da América de 1981, o Campeonato Brasileiro de 1980, o Estadual de 1981 e o Campeonato Brasileiro novamente, em 1982.

Domingos da Guia

Domingos

Domingos da Guia, o “Divino Mestre”, é considerado um dos melhores zagueiros da história do futebol brasileiro. Sua “marca registrada” era sair driblando os atacantes adversários. No Fla, foi fundamental para a conquista do tricampeonato carioca em 1939, 1942 e 1943. Em 1938 disputou a Copa do Mundo e foi eleito pela FIFA o melhor da posição no Mundial. O ex-atleta faleceu no dia 18 de maio de 2000, aos 87 anos, após ter sofrido um derrame.

Andrade

Universidad Catolica v Flamengo
Marcelo Hernandez/LatinContent via Getty Images
Marcelo Hernandez/LatinContent via Getty Images

Revelado nas categorias de base do Flamengo, o volante Andrade começou sua carreira profissional em 1974 e fez parte da vitoriosa geração de 1981, tendo participado das conquistas da Copa Libertadores da América e do Mundial de Clubes. Foi também campeão brasileiro (1980, 1982, 1983) e estadual como jogador do Flamengo. Como técnico, ele também fez história. Foi ele quem comandou a equipe campeã brasileira em 2009.

Bruno Henrique

FBL-LIBERTADORES-FLAMENGO-DELVALLE
CARL DE SOUZA/POOL/AFP via Getty Images
CARL DE SOUZA/POOL/AFP via Getty Images

Bruno Henrique chegou ao Flamengo no início de 2019 e, em pouco tempo, conquistou a torcida rubro-negra. O atacante foi figura fundamental nos títulos do Brasileirão e da Libertadores de 2019.

O Rei dos Clássicos, inclusive, foi eleito o Craque do Brasileirão e o Craque da Conmebol Libertadores. Seu nome será sempre lembrado por conta da importância dessas conquistas.

Evaristo de Macedo

20130627144007_342
Alexandre Vidal /Divulgação Flamengo
Alexandre Vidal /Divulgação Flamengo

Evaristo de Macedo ficou cinco anos na Gávea, de 1952 a 1957, o que bastou para se tornar um dos grandes ídolos da história do clube. Ele foi o principal nome do time que conquistou o tricampeonato carioca em 1953, 1954 e 1955. Já em 1957, o atleta foi vendido ao Barcelona. Na Espanha, ele jogou também no Real Madrid e foi ídolo nos dois rivais.

Evaristo de Macedo voltou ao Flamengo em 1964 e jogou na Gávea até 1966, quando decidiu se aposentar, aos 33 anos, devido a intensas dores em um de seus joelhos. No total, foram 191 jogos, 103 gols e cinco títulos com a camisa do Fla. Mais do que suficiente para torná-lo eterno na Gávea.

Romário

Flamengo forward and Brazilian soccer star Romario
ANTONIO SCORZA/AFP via Getty Images
ANTONIO SCORZA/AFP via Getty Images

Romário é considerado a maior contratação da história do Flamengo. Afinal, ele foi contratado em 1995 depois de encantar no Barcelona, vencer o prêmio de Melhor Jogador do Mundo e conquistar o tetra pela Seleção. Mesmo tendo sido revelado pelo Vasco, a identificação com a torcida rubro-negra foi imediata. E ele retribuiu o carinho marcando muitos gols.

Atuando pelo Flamengo, o ‘Baixinho’ balançou as redes adversárias em 204 oportunidades e atuou em 240 partidas durante as suas três passagens. Além disso, conquistou títulos importantes, sendo eles: Taça Guanabara (1995, 1996 e 1999), Copa Ouro (1996), Campeonato Carioca (1996 e 1999), Taça Rio (1996) e Copa Mercosul (1999).

Everton Ribeiro

Palestino v Flamengo - Copa CONMEBOL Sudamericana 2017
Esteban Garay/LatinContent via Getty Images
Esteban Garay/LatinContent via Getty Images

Contratado em 2017, Everton Ribeiro é o símbolo do crescimento financeiro e técnico do Flamengo nos últimos anos. O Rubro-Negro pagou 6 milhões de euros pelo jogador, que estava no Al Ahli, do Catar, fazendo do meia a terceira contratação mais cara da história do clube na época. Mas o investimento valeu a pena! O atleta foi campeão brasileiro e da Libertadores em 2019, sendo destaque em ambas as conquistas.

Rondinelli

20150426102128-412-1-6303698
Divulgação/Flamengo
Divulgação/Flamengo

Conhecido como “Deus da Raça”, em razão da disposição e garra com que jogava pelo Flamengo, Rondinelli é considerado um dos maiores zagueiros que já passaram pelo clube. Seu momento marcante como jogador foi na final do Carioca de 78, quando marcou o gol contra o Vasco que garantiu o título estadual ao Fla. Também é mais um nome da geração campeã da Libertadores e do Mundial em 1981.

Com a camisa do Flamengo, Rondinelli atuou em 396 jogos e marcou 14 gols. Depois de deixar o Rubro-Negro, teve passagens discretas pelo Corinthians e Vasco. Mais tarde, o defensor jogou ainda no Atlético-PR, Goiânia e Goiás, até encerrar a carreira, aos 33 anos, devido a problemas crônicos em seu joelho.

Carlinhos

carlinhos
Divulgação/flamengo
Divulgação/flamengo

Poucos jogadores tiveram a chance de dedicar a sua vida profissional a apenas um clube como Carlinhos no Flamengo. Defendeu a equipe profissional por 15 anos, entre 1955 e 1970. Durante sua trajetória no clube, ganhou o apelido de “violino” por conta da sua forma de jogar com grande classe e o toque de bola refinado.

Como jogador, foram 11 anos, 517 jogos, 23 gols e quatro títulos. Depois, tornou-se treinador do Flamengo, comandando a equipe em conquistas importantes como o Brasileirão de 1992. Ele morreu no dia 22 de junho de 2015, aos 77 anos, no Rio de Janeiro, vítima de insuficiência cardíaca.

Zagallo

SOC-ZAGALLO-FILES
GABRIEL BOUYS/AFP via Getty Images
GABRIEL BOUYS/AFP via Getty Images

Mário Jorge Lobo Zagallo tem uma trajetória de títulos como jogador do Flamengo. Chegou no Flamengo em 1950 e conquistou, dentre outros, o tricampeão carioca (1953, 1954, 1955). Saiu do clube logo após a Copa da 1958. No total, foram 217 jogos e 30 gols. Depois do Fla, o ponta esquerda foi defender o Botafogo. Como treinador, deu mais títulos ao Flamengo, como o Campeonato Carioca de 1972, Copa dos Campeões de 2001 e o Campeonato Carioca de 2001.